Pets em Londres | Londonnices: Dicas & Experiências em Londres

Depois de anos passando uma temporada no Brasil e outra na Inglaterra, resolvemos fixar residência em Londres.

Isto significa uma mudança de país para todos, incluindo Chico, nosso Shih Tzu de 13 anos.

Comecei a pesquisar e as primeiras informações são:

  • O processo é longo, o prazo mínimo possível para levar seu animal ao Reino Unido é de pouco mais de 4 meses;
  • É bem detalhado, as datas de todas as etapas são os dados mais importantes. É preciso prestar muita atenção;
  • O Reino Unido não permite nenhum animal chegar pela cabine, somente porão ou carga viva.

Lendo tudo, pode parecer um pouco desesperador, mas calma. Respira. Me dia a mão que eu te explico tudinho e você vai ver que o processo não é um bicho papão como parece.

Até existe uma maneira de levar o pet na cabine! Enfim, abaixo estão todas informações, etapas e passos.

PRIMEIROS PROCEDIMENTOS

Pets em Londres | Londonnices: Dicas & Experiências em Londres

Você resolveu levar seu animal para Londres ou para qualquer outro lugar da Europa, então os primeiros itens a serem resolvidos são: microchip, vacina de raiva, sorologia e quarentena.

Qualquer outro passo, só poderá ser feito após estes primeiros itens serem resolvidos:

 

1. MICROCHIP

É a primeira coisa a ser feita. Pode ser de qualquer marca, desde que tenha o ISO 11784 ou ISO 11785.

Este número do ISO é muito importante, pois é o que passa nos leitores da Europa.

Após colocar o microchip, o veterinário precisa te dar um certificado que contenha as seguintes informações:

  • Dados da clínica
  • Dados do veterinário
  • Dados do animal
  • Data da aplicação do microchip
  • Selinho original do microchip colado
  • Assinatura do veterinário + carimbo + data

O processo de aplicação do chip no Chico foi bem tranquilo e ele não reclamou. Eu me certifiquei que o microchip estava funcionando diversas vezes antes da viagem. É só levar o animal no veterinário e pedir para passar o leitor.

 

2. VACINA DE RAIVA

A vacina de raiva deve ser dada após a aplicação do microchip, mesmo que seu animal já tenha sido imunizado contra a raiva, é preciso refazer.

Após a vacina de raiva, o veterinário precisa te dar um certificado que contenha as seguintes informações:

  • Dados da clínica
  • Dados do veterinário
  • Dados do animal
  • Data da vacina de raiva
  • Data de validade (normalmente, 1 ano após a data da vacina)
  • Selinho original da vacina
  • Assinatura do veterinário + carimbo + data

Como eu fiz: para facilitar, coloquei o microchip e fiz a vacina de raiva no mesmo dia, porém coloquei datas diferentes nos certificados. Com o microchip para um dia e a vacina de raiva no dia seguinte.

 

3. SOROLOGIA

Após a vacina de raiva, esperar 31 dias para fazer a sorologia.

O dia da aplicação da vacina é considerado ZERO, portanto os 31 dias começam a ser contados no dia seguinte da aplicação.

Esta sorologia só pode ser feita em laboratórios autorizados pela União Européia.

Quando eu fiz para o Chico – julho/2018 – apenas o laboratório TECSA, em Belo Horizonte, tinha o certificado aprovado no Brasil.

Enfim, mas muitas clínicas pelo país tem parceria com o TECSA, com isto eles conseguem colher o sangue do animal e mandar para o laboratório.

Para conferir a lista completa dos laboratórios autorizados pela União Européia, clique aqui.

O certificado de sorologia do TECSA já vem em português, inglês e francês.

É muito importante verificar se você recebeu o documento original, que tem alguns carimbos de ISO no topo.

O resultado do exame, normalmente, sai em 30 dias.

 

4. QUARENTENA

A quarentena são 90 dias contados a partir da coleta do sangue para sorologia.

Esta quarentena é feita no Brasil mesmo e o animal segue vida normal, ficando na casa de seus tutores, pode passear… A única coisa que ele está impedido, é de ir para Europa.

AGORA É ESPERAR

Pets em Londres | Londonnices: Dicas & Experiências em Londres

Feito esta primeira parte, agora é esperar.

Neste tempo, compre sua passagem, a do animal, faça um check-up geral no seu pet, compre a caixa de transporte e faça o treinamento do animal na caixinha e se prepare para todos os últimos detalhes da viagem.

Após o término da quarentena, você poderá dar entrada nos últimos procedimentos para embarcar com seu animal: vermífugo, atestado veterinário e CVI.

 

Confira abaixo o detalhamento da timeline final.

TIMELINE FINAL

Sua viagem está próxima e agora você vai finalizar todo o processo do seu animal para embarcar com seu animal.

A partir de agora, a validade de todos os documentos é bem curta. Animais que viajam para o Reino Unido, por exemplo, precisam contar com um prazo de 5 dias – do vermífugo à chegada ao país.

Aqui vão as explicações:

 

1. VERMÍFUGO

Apenas para cães.

O Reino Unido exige cachorros que entrem no país tenham recebido tratamento contra Echinococcus Multilocularis.

O animal precisa receber este tratamento a mais de 24h antes da entrada no país, e a menos de 120h da entrada no país. Ou seja, o cão precisa ter tomado o vermífugo a mais de 1 dia e menos de 5 dias da entrada no Reino Unido.

O princípio ativo importante que o vermífugo dado precisa ter é Praziquantel. Eu dei o Drontal Plus.

No atestado veterinário, precisam constar os seguintes dados da vermifugação:

  • Data que o vermífugo foi dado
  • Hora que o vermífugo foi dado
  • Laboratório
  • Nome comercial
  • Lote

Eu coloquei todas estas informações no atestado veterinário, que diz que o animal está em boas condições de saúde. O veterinário assinou e carimbou apenas este documento.

Se você fizer um certificado apenas para o vermífugo, lembre-se de acrescentar as seguintes informações: dados do veterinário, dados da clínica, dados do animal, assinatura do veterinário, carimbo e data.

 

2. ATESTADO DE SAÚDE

Você precisa do atestado de saúde para dar entrada no CVI, o documento mais importante da viagem.

Este documento tem validade de 3 dias, portanto é preciso fazer próximo ao seu agendamento do CVI.

Eu utilizei o modelo de atestado veterinário fornecido pelo Ministério da Agricultura. Ali você precisa colocar suas informações, as do animal, as informações sobre a vacina de raiva e vermífugo.

Também existe um campo para vermífugo externo (contra pulgas e carrapatos). Apesar de não ser uma exigência do Reino Unido, eu acabei colocando também.

Neste atestado veterinário também precisam constar as seguintes informações:

  • Dados da clinica
  • Dados do veterinário
  • Carimbo, assinatura e data

Deixa eu abrir um parênteses aqui para explicar como eu fiz estes dois itens: vermífugo e atestado veterinário.

Eu comprei o Drontal Plus, vermífugo interno, e Frontline Plus, vermífugo externo, com antecedência e preenchi o atestado veterinário com as informações necessárias.

Eu coloquei a data e hora do vermífugo interno para o mesmo dia do meu agendamento para o CVI. Meu agendamento era a tarde e eu coloquei a data e hora para manhã.

Clique aqui, para conferir o modelo do atestado veterinário.

 

3. CVI

Este é o Certificado de Viagem Internacional, o documento mais importante da viagem.

Este certificado é emito pela Vigiagro e existem várias unidades pelo Brasil.

É preciso marcar hora e o prazo de entrega do CVI varia de unidade para unidade. Em Guarulhos, onde eu fiz, leva até 48h para entregarem o certificado. Já em Viracopos, a entrega é feita na hora. Então, vale a pena ligar e perguntar.

Após agenda seu horário, compareça na unidade escolhida com os seguintes documentos:

  • Certificado de microchip
  • Certificado da vacina de raiva
  • Sorologia
  • Atestado veterinário

Você deve levar todos os documentos originais + 2 cópias de cada.

Na Vigiagro você vai preencher mais documentos e eles ficarão com os seus originais. Quando eu CVI estiver pronto, eles devolvem os originais.

Como meu trajeto foi São Paulo – Paris – Londres, meu CVI venho em português, inglês e francês.

Para mais informações dobre a Vigiagro, clique aqui.

Para conferir o mapa com todas as unidades da Vigiagro que emitem o CVI, clique aqui.

COMO LEVAR SEU ANIMAL

Pets em Londres | Londonnices: Dicas & Experiências em Londres

Além de ter todos os documentos em ordem, saber como levar seu animal é crucial.

Como disse, o Reino Unido não permite nenhum animal chegar pela cabine. Portanto, quem quiser esta opção, precisa fazer outro trajeto.

Desde o começo optamos por levar o Chico na cabine. Me conheço bem e não ficaria sossegada com ele viajando de outra forma.

Para isso fizemos o trajeto São Paulo – Paris, de avião e Paris – Londres de carro.

Mas aqui seguem as explicações sobre as formas possíveis de levar seu animal para Londres.

 

1. CABINE

Como o Reino Unido não permite animais chegarem pela cabine, a única forma é fazer o primeiro trecho – Brasil – Europa – para outro destino e seguir daí para Londres de carro.

Na minha opinião a forma mais prática é rápida é fazer por Paris.

Para levar animais na cabine, cada companhia aérea possui sua regra. Na Air France, cia aérea que viajamos, animais com até 8kg, contando a caixa de transporte, pode viajar na cabine.

O animal precisa ficar o tempo todo dentro da caixinha e ela precisa caber embaixo do banco. Para saber os tamanhos exatos, confira o site da companhia aérea escolhida.

Também é preciso pagar uma taxa para o animal. Na Air France, você consegue comprar sua passagem e a do pet na mesma hora, porém esta compra precisa ser feita pelo telefone. A taxa do pet que pagamos foi de $125,00.

 

2. CARGA VIVA OU PORÃO

Ao contrário do que muitos pensam, aqui seu animal não vai com as malas, ele vai em um compartimento embaixo do avião exatamente como a cabine, especialmente feito para cargas vivas.

Este procedimento precisa ser feito de empresa para empresa, você não poderá fazer sozinho.

Pelas minhas pesquisas, as empresas mais cotadas para fazer este serviço são a MM Cargo e a Flying Pet. Mas eu não posso dizer muito sobre elas, pois não usei o serviço.

Outra coisa, também pelas minhas pesquisas, a companhia aérea mais segura para este tipo de transporte é a Lufthansa.

Apesar de ter sido a mais recomendada, ela não tem voo direto para Londres. O trajeto feito é São Paulo – Frankfurt – Londres. Mas não me pareceu ser um problema.

Outro ponto a se observar, são os embargos que as cias aéreas tem em relação a algumas raças em determinadas épocas do ano.

Por exemplo, cachorros braquicefálicos (nariz curto), não podem viajar se o país de origem ou destino estiver muito frio ou quente.

Enfim, são apenas alguns fatores a observar, mas acredito que esta também é uma forma segura.

OBSERVAÇÕES FINAIS

  • Comece seu processo com bastante antecedência.
  • Confira absolutamente tudo. São muitas datas e números, um errinho pode impedir a entrada do seu pet
  • Mantenha todos os documentos originais em segurança
  • O trecho Paris – Londres, so pode ser feito de carro. O trem Eurostar, não permite animais. Meu marido foi me buscar, mas existem vários serviços de táxi que fazem este trajeto
  • Se precisar de ajuda, o grupo Pets na Europa no Facebook, me ajudou bastante.