Viajar é uma das melhores coisas da vida. Você conhece locais novos, gente nova, outras culturas… É tudo uma delicia.

Mas, porém, entretanto, todavia, como em qualquer local turístico, sempre tem muita gente fazendo tudo ao mesmo tempo. Então, paciência e bom sendo são as palavras de ordem quando o assunto é etiqueta para turistas que visitam não só Londres, mas como qualquer outro local.

Lembre-se que o turista deve sempre se adaptar a realidade do destino e, claro, respeitar as pessoas, tanto os moradores do local, como os outros turistas que estão ali.

Bem verdade que estas regras deveriam ser seguidas sempre. Viajando ou não. Mas parece que quando viajamos, muita gente desliga uma certa chavinha na cabeça e acha que pode tudo, porque afinal, está de férias.

Não é bem por aí que as coisas funcionam, não é mesmo? Bom, vamos relembrar algumas regrinhas para todos aproveitarem a viagem?

1. IDIOMA

Desde que o mundo é mundo, a falta de comunicação é a maior parte dos problemas (e a boa comunicação a resolução deles).

Saber se expressar é fundamental para quem viaja. Você precisará se comunicar com as pessoas e é muito importante que você não assuma que todos falarão seu idioma.

Se está viajando para um país de língua estrangeira, tudo bem não ser fluente naquela língua, mas pelo menos tente aprender o básico. Bom dia, boa tarde, por favor, obrigado… São palavrinhas mágicas em qualquer local e se esforçar para dizer algo no idioma local será muito bem visto.

2. CULTURA LOCAL

Tente conhecer os costumes locais e respeite-os. Lembre-se, você está indo para outro território e terá que se adequar a realidade daquele local.

Em Londres, por exemplo, pontualidade, falar baixo, respeitar o espaço do outro, não furar fila… São algumas atitudes que todos esperam que sejam respeitadas, seja você morador ou turista.

3. TRANSPORTE PÚBLICO

Primeira regra de ouro para transportes é: nas escadas rolantes, deixe a esquerda livre. Segunda, antes de entrar no vagão do metrô ou subir no ônibus, deixe as pessoas saírem.

Outra coisa, em Londres tanto no metrô como no ônibus, você precisa validar seu cartão de transporte na entrada e saída, fique preparado para isto. Não fique em frente a catraca procurando seu oyster card.

Ah! Também não fique parado no meio da calçada olhando o mapa e tentando encontrar o caminho. Isto atrapalha as pessoas. Vá para um local fora do caminho e aí sim olhe o mapa com calma.

4. FOTOS

Num local turístico, todos querem tirar fotos, use o bom senso. Olhe ao seu redor, respeite as fotos dos outros.

Tem gente que fica tanto tempo tirando foto de uma obra que praticamente se torna parte dela. Não seja este tipo de turistas. Todos ali também querem aquela foto. Respeite.

Bem como preste atenção se é permitido ou não fotografar. É muito comum em museus e locais históricos de Londres, não permitirem fotografias. Respeite as regras. Gostou do local e quer uma foto? Passe na lojinha da saída e compre um cartão postal.

Ah! E não só em Londres, mas em qualquer lugar do mundo, não fotografe pessoas desconhecidas sem a permissão delas.

5. MUSEUS

Assim como nas fotos, respeite a visão de todos. Tem alguém do lado? Abra espaço para que a pessoa também possa ler ou ver a obra de arte.

Não chegue muito perto das obras e jamais toque-as. Faça silêncio e, por favor, não fique conversando no telefone.

6. RESTAURANTES & PUBS

Na maior parte dos restaurantes em Londres, é preciso fazer reserva. Não se atrase e nem cancele no último minuto.

Os pubs normalmente fecham às 23h pontualmente. Não adianta pedir mais uma e nem pense em pedir a saideira.

7. COMPRAS

Não fique pedindo desconto. O preço é o que está exposto e pronto. Se qualquer peça estiver com desconto, já estará avisado.

8. ARTISTAS DE RUA

Muito comum na Europa como um todo, estes artistas ficam nas principais praças, metrôs, entrada de museus e igrejas…

Gostou? Filmou? Tirou foto? Contribua com algo. Eles estão ali trabalhando e devem ser reconhecidos por isto.

E aí, você tem alguma outra dica de etiqueta para turistas? Deixe nos comentários.

 

*Este artigo foi escrito juntamente com a sempre viajante Ana Paula Rechi.